quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

POVO + MOVIMENTO PASSE-LIVRE=MOVIMENTO DE MARIONETES



    O que o povo brasileiro tem haver com o Schumacher, por que temos pena do Anderson silva e sofremos com a derrota de nosso time? Por que somos marionetes da mídia.
    Recordo que em 2009 o Brasil torcia avidamente pelo  direito de sediar a copa do mundo. Houve piadas do tipo “quero um marido padrão Fifa” entre outras. Por que agora a mídia está jogando a choldra contra a copa? Tem algo podre no ar.
   É possível admitir que a direita e as elites brasileiras são astutas e inteligentes.Tentaram o movimento “cansei”. Não deu certo.Tentaram reeditar a estória do caos aéreo.Não vingou. Tentaram causar furor de insatisfação com o “mais médicos”. Também não deu.


   A juventude estudantil de esquerda brasileira após décadas de inércia cria um movimento bacana denominado “passe-livre”. A direita se apodera dele desde o início levando-o para o ralo. Os verdadeiros líderes do “passe-livre” se retiraram, a direita se aproveitou e continua usando ele para criar insatisfação onde a direita elitista perdeu o trono.Podemos afirmar que o movimento virou "massa de manobra".  

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Papel em branco



"Alguma coisa vai levar a algum lugar"... a mente à deriva mente certa.

O lápis, o papel e a borracha. Mais borracha do que lápis e papel. E a nítida sensação de tudo já foi dito.

Noite a dentro, sem sono e sem idéias... jogando café na cara. Dou as caras na sala vazia, rolando corujão. Vou sair por ai, procurar a mente vagabunda. Desisto, afinal.

Saco esse eterno parto criativo. Essa corrida pelo ponto comum, a espinha dorsal, a vidraça que não quebra a primeira pedrada. Essa linda paisagem no meio do deserto que faz correr até perceber que não era mais que uma miragem. Manusear blocos de concreto e outras amenidades.

Encaro o papel que me encara, perde o primeiro que fugir de medo - do silêncio, do vazio, desse papel em branco. Fugir de medo dessa necessidade contemporânea por intensidade - HOJE, AGORA, MAIS SEMPRE, UP! Pagará a prenda, como sair na rua com marcas de rolha queimada na testa. Arregão.

Pensar, pensar, pensar. Bater cabeça até sentir dor de cabeça. Lapidar pedra bruta e tornar tudo brita. Escrever o futuro à lápis, caso eu mude de ideia. Beats à parte, tudo a ver. 

Permanecem as linhas na folha com palavras desorganizadas, contextos fora de foco. Alguma coisa sempre leva a algum lugar. Nem que seja ao nada.

Boa... amanhã junto tudo isso. E ainda meto um riff perturbado.


 




segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

MÚSICA DA PATULÉIA







    Estou ouvindo Almir Sater e seu disco “Sete Sinais”.Disco com uma boa introdução, bom começo para assimilar a bela cultura da região centro-oeste. Cultura que está sendo sufocada pela indústria do entretenimento descartável.
    O dito sertanejo universitário, arrocha, funk e outras subcategorias musicais tem sua lógica calcada no descartável e consumo fácil.
    Claro que há exceção, Mc Leonardo, Katia com K e uma meia dúzia de gatos pingados, mas, a maioria está inconscientemente a serviço do consumo burro, fácil e esquecível. Sim esquecível, pois, o povo está com uma memória cada vez mais curta como um disquete dos anos 80.
    Antes de mais nada, esclareço que o funk  citado nada tem haver com  o funk da música negra dos anos 70.
    Nada contra a indústria do entretenimento. Até por que é através do lúdico que será possível fazer as pessoas adentrarem em um universo cultural e intelectual mais amplo e complexo.O problema reside nas massas adormecidas que consomem apenas entretenimento sem nenhuma pretensão de elevar sua cultura – Rir é o melhor e único remédio-.O humor de bordão nunca saiu de moda. O palavrão causa catarse quando pronunciado pelas músicas sertanojentas das massas. Exemplo: bebo pra carai! A patuleia quase goza por pronunciar caralho disfarçadamente.
    E o que dizer de um senhor com mais de cinquenta anos, ares rudimentares de um trabalhador de fazenda cantando o refrão – “prepara...” da nova musa do funk, Anita.

    O senso comum está apodrecendo e nos cercando. O bom que tem porcarias que desaparecem como um passe de mágica. Michel Teló sumiu. Graças a Deus

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

O GRITO DO GRILADOR

    Os newcoronéis de Mato Grosso do Sul  reuniram meia dúzia de “gatos pingados” para exigir o direito de manter as terras roubadas de seus primeiros habitantes. Essa gente que possui o que há de mais podre no senso comum,vomita aos quatro cantos de Campo Grande que querem a volta da oligarquia onde com um sapato ou um saco de farinha se comprava votos,terras e acumulavam poder.
     O cidadão que não acredita que o” Grito do Produtor” nada mais é do que um desejo de perpetuar o coronelismo no Mato Grosso do Sul é um alienado.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

FRAGMENTOS DE VIAGEM À CIDADE DE "Z" ( continuação II )


    Minha curiosidade, senso de adrenalina, mais a sensação que estava em um processo sagrado fez-me vencer qualquer receio que houvesse em mim para não falar com meus conterrâneos de pele vermelha.
    Comecei perguntando-lhes se conheciam a Serra do Roncador e suas lendas. Afirmaram que sim e que se eu quisesse, poderiam ser meu guia pelas matas do Roncador por um preço módico, é claro.
     Expliquei-lhes que não era como os playboys ou ricaços que circulavam por ali atrás de alguma coisa que não sabiam o que é. Disse-lhes que procurava uma indicação, mas o caminho quem faria era eu.



                                                      (continua)